Nosso Mestre Voltou a Casa do Pai.


Nosso Mestre retornou  à Casa do Pai. 18/02/11


Segue um nota veiculado pelo site Novos Rumos. 


NOSSO IRMÃO ROGÉRIO VOLTOU À CASA DO PAI 23/02/11*



Rogério Inácio Almeida Cunha voltou à casa do Pai. Padre da igreja católica dedicou sua vida à difusão do Reino de Jesus seja através do seu trabalho teológico e pastoral, como também em seu lar como padre casado.
“…Não deixei de ser católico por ter aberto mão da condição de clérigo, não deixo de ser cristão por discordar deste ponto central e de muitos outros, em que a mentalidade Católica me parece equivocar-se. Não considero o meu modo de pensar normativo para quem quer que seja. A Igreja Católica, na configuração histórica a que chegou, e que parece consolidar, é a minha mãe na Fé cristã, e tem o direito de ser o que ela quer. Uma vez eu disse em palestra a uns trezentos provinciais de Congregações Religiosas que quem xingar a minha mãe eu mato, mas se me botarem dentro da barriga dela de novo, sou eu quem morre…”
Fez da teologia sua profissão e nela se destacou como bom mestre, abrindo caminhos para a necessária e desejada renovação da igreja à luz do Concílio Vaticano II.
Era membro do movimento “Nós Somos Igreja” e defendeu ideais de:
1. Uma Igreja fraterna e dialogal;
2. Uma Igreja com uma nova atitude face às mulheres;
3. Uma Igreja onde os ministérios ordenados sejam reequacionados;
4. Uma Igreja que valorize a sexualidade, elemento constitutivo do ser humano, criado por Deus;
5. Uma Igreja empenhada nos direitos humanos, que valorize questões de ordem ética e moral.
Foi membro ativo e numinoso dentro do Movimento dos Padres Casados. Não via com bons olhos a institucionalização do Movimento, pois achava que “seu eixo é a solidariedade entre diferentes, não a institucionalização de igualdades”. Dizia ainda que: “Cada qual tem o direito de participar do MPC pelo motivo que lhe pareça bem, mas acredito que ninguém tem o direito de proclamar taxativas ou normativas as suas convicções pessoais ou grupais.”
Sobre a Eucaristia considerava que a mentalidade católica “falsifica teologicamente a Fé Cristã, quando fez dela uma Religião de Sacrifícios, re-instituindo – com o título de “Eucaristia”, ou de “Santo Sacrifício da Missa” – o que o Senhor aboliu, notadamente na noite em que, antes de padecer, tomou uma refeição com os seus. A re-instituição de um sacrifício, a transformação da refeição de partilha em ato sacrifical, concretizou a lógica que fez dos “presbíteros” a re-edição dos sacerdotes, sacrificadores. A instituição do “sacramento da ordem” instaurou no seio da Igreja Cristã a lógica institucional do Império Romano.”
Nosso site muitas vezes era enriquecido com os artigos que ele nos enviava. Lamentamos profundamente o falecimento do amigo e irmão, Rogério. Criou-se um vazio no meio teológico, no Movimento “Nós Somos Igreja”, no MFPC e em todos aqueles que apreciaram suas qualidades intelectuais e seu amor para com todos.
Com certeza combateu o bom combate e já recebeu a coroa da glória do Cristo. Seu trabalho trará seus frutos. Para a viúva Zenóbia nosso amplexo de solidariedade.
Clique Aqui para ler a mensagem enviada por
Rogério de Almeida Cunha em ocasião
do Encontro do MFPC em Recife,
em 06 de Janeiro de 2008
Fonte: http://www.oraetlabora.com.br/novo1/"

Que Deus reconforte Zenóbia. 
Cídio Lopes de Almeida


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom