Direito versus Privilégios


Parece-nos que pessoas acostumados a privilégios não o sabem. Em sua autoimagem elas se veem como uma pessoa normal desfrutado de seu direito, para o qual cumpriu sua parte.
É sempre difícil demonstrar o óbvio na medida em que ele foi naturalizado, dissimulado entre coisas naturais como o sol que nasce. O irrita qualquer um, pois como tudo aquilo que foi naturalizado, o privilegiado irá em primeiro lugar lhe tratar mau por ficar questionando essas coisas.

Nesse caso, para lembrar o argentino radicado no México Henriques Dussel, “o pobre não fala, ele ruge” e por esse motivo ele nem mesmo consegue fazer um pedido de justiça contra as injustiça que lhe são impostas. Nessa esteira é que iremos assistir “o marginal” ser o argumento privilegiados dos que desejam e tem mantido seus privilégios.

Em épocas de ascensão social de milhares de brasileiros será comum encontrarmos pessoas se irritando com essa nova realidade. Exatamente pelos motivos de não estarem acostumados a direitos e deveres, o privilegiado se “estressa”, pois dever é uma coisa ‘estressante’.

Os aeroportos são o exemplo exponencial desse confronto dos privilegiados. Imagine, uma doméstica “voando TAM” para Salvador? Agora, ela senta do lado da semi-rica (já que a rica tem seu jatinho) que também está curtindo férias! Ou o que pior, esses blogueiros que escrevem errado e estudaram na escola pública depois de 80, época em que se consolidou o desmonte da educação de qualidade, tendo uma força política jamais vista. Os cafeicultores de São Paulo ficam loucos.

O desmonte desses privilégios exigirá dos novos emergentes muito mais que mero apreço pela cultura do consumo. Gerações terão que ascender ao conhecimento se quiserem mudar efetivamente esse país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom