#PT criminoso: quando oposição é crime!

Sim, o PT não é oposição na medida em que ele ocupa o governo Federal. O assunto que proponho é outro.

Em qualquer regime não-democrático a oposição é considerado criminosa. Deve ser banida e não deve haver oposição.

A grande invenção lá da Grécia de Sócrates foi a tal da democracia. Claro, entre aqueles Gregos Antigos nasceu a ideia da democracia, dela até nossos dias, 2500 anos depois, muito coisa tem acontecido.

Mas o que marcou tal invenção? Uma das marcas era a possibilidade de uma assembléia poder discutir pontos de vistas distintos e, em seguida, decidir por um e aplicá-lo na vida prática/social.

Simples. Essa conversa também deu origem a um tipo de prosa, que ficou ligada a Zenão de Eleia, uma colônia Grega onde hoje é o sul da Ítalia, que é a dialética.

Antes da palavra ficar associada a "comunistas comedores de criancinhas", ela surgiu no contexto de homens práticos. E consistia em uma roda de prosa na qual os guerreiros expunham suas táticas para os demais; ganhando aquela que não só fosse melhor apresentada, mas a mais viável.

Assim, a marca da tirania era exatamente negar a participação do povo, que era apenas os livres. O governo, por uma questão de excessão, era feito pelas ideias de apenas uma pessoa, o tirano.

Nos dias de hoje, desqualificar o opositor político é um retrocesso humano. Ainda que muito comum a tendência à tirania, pois não nascemos democráticos, aprendemos. Apesar de comum e fazer parte de nossa natureza não-cultivada, a tirania gera muito morte e violência. Quanto mais elaborada e cultivada culturalmente a democracia tende a diminuir tais excessos.

A título de exemplo do não debate,  lembro o Senador da República Aloysio Nunes (PSDB). Em seção do Senado Federal sobre Relações Exteriores ele chama os militantes da União da Juventude Socialista de "arruaceira". O Senador assim se referiu dirigindo a também Senadora da República Vanessa Grazziotin (PC do B/AM). 

O meu tema não é a questão propriamente, mas o fenômeno em desqualificar o oponente político; até mesmo transformá-lo em bandido. Essa prática é a questão para além das atuais disputas políticas. 

O ponto mais baixo de nossa democracia é essa herança da ditadura civil/militar. Na qual a cultura da discussão política foi banida e inscrita como atividade criminosa. Aliás, ainda hoje a ideia de discussão prolongada sobre temas relevantes é noticiado pela grande mídia como sendo algum ruim. A imposição da ideia de que discutir é "não realizar coisas", tem sido veiculada em larga escala pelas mídias detentoras de grande poderes econômicos.  

Em contrapartida, temos a bizarra discussão do futebol. Provando que a discussão parece também fazer parte da condição humana, sendo necessário até mesmo arrumar uma substituição para a discussão natural da política. 

Esse vetor autoritária se manifesta na cultura brasileira em vários lugares. Até mesmo na eleição de um club de laser ou condomínio iremos ver os mesmos expedientes. Em geral temos discursos que preveem catástrofes cósmicas, caso o oponente ganhe. Alias, esse oponente é pintado como se fosse o mal encarnado; uma ameaça à moral e aos bons costumes; Portanto, não há diálogo, base de qualquer governo democrático. 

O diálogo, que comumente não acontece dentro de casa, é a base necessária para uma democracia. Enquanto vivermos em uma sociedade autoritária, e a paulista e paulistana é o expoente desse modelo, não teremos uma grande democracia. Se na Igreja do Bispo Macedo você só dá dinheiro e recebe benefícios de outro(Deus), se na Igreja Católica Romana você também não participa do governo(afinal o Clero é quem manda); se na escola você senta e fica calado, se falar será tido como problema, logo, nunca teremos um país efetivamente democrático. E democracia passa pela conversa com pessoas com pontos de vista diferentes. 












Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom