Os colégios maçônicos e seus assemelhados: falta de criatividade!

Quem não lembra dos filmes de Bruce Lee?
Em geral tinha sempre disputas entre as escolas de Kung Fu, e as brigas eram a parte central do filme. Certamente estou resumindo demais os dramas envolvendo o artista, pois minha ideia aqui é apenas tomar as brigas entre escolas e a forma como elas terminavam como argumento. 

Em matéria de escolas não científicas e que mais se assemelham ao que o filósofo Nietzsche denomina de "educação trágica” temos a maçonaria, além da própria missa católica. 

Porém, na maçonaria e mesmo no seio das Igrejas cristãs acontecem algo parecido com as escolas de Kung Fu, a razão sede lugar para disputas às vezes físicas. 

Tudo bem que em maçonaria as disputas ficam apenas nos protestos escritos e aqui acolá em “bate-boca”. 

Se Nietzsche achava interessante uma educação que incluísse o lado emotivo (Dionísio), esqueceu que as emoções também levam à chamada “vias de fato”. Porrada. 

Pois bem, depois desse preâmbulo quero fazer uma lista:

Escola
Colégio
Academia
Conclave
Congregação
Instituto
Confederação
Associação
Fundação
Faculdade
Confederação  

A seguir esses nomes podemos encontrar:

maçônica
maçonaria
superior
maçonaria

Enfim, se combinarmos os primeiros com os segundos teremos vários nomes do tipo Colégio Maçônico, etc. 

Um conjunto de nomes, salvo algumas excessões, que em geral não passam de um site. Mas se assumissem como um mero site, como é o caso AMF3, até que supomos mais palatável. Contudo, no grosso, temos sites com nomes variados e que oferecem algo que apostamos que não conseguem ofertar. “Um formação de qualidade” à pessoas que recorrem à maçonaria. 
  
Por formação de qualidade é uma longa história. A própria maçonaria, lá em suas Lojas, é um método fantástico de formação, sempre preterido por uma agenda cheia de ‘eventos" sociais. 

O método maçônico de formação humana é fantástico por vários motivos; entre eles destaco dois, que não vejo por aí em associações culturais da mesma natureza. O primeiro é o governo democrático; uma Loja não tem dono e quando tem “desanda”. Uma Loja Maçônica é uma célula coletiva por natureza. O segundo ponto que julgo fantástico é o caráter voluntário dos trabalhos maçônicos. Não existe uma casta de líderes dentro da maçonaria. Todos são responsáveis pelo sucesso e pelo constante fracasso.  

Sim, tem críticas, e a lista é longa. Uma delas é que tem gente imperfeita entre nós; mesmo esse escriba comete não só erros de português, mas como humano é imperfeito. Mas deixemos esse lado para outro texto. 

Retomo aos sites que se apresentam como sendo algo maçônico e no frigir dos ovos vende maçonaria e não entrega. Não entregam porque maçonaria não é um produto; é um estilo de vida e não dá para adiantar; vamos vivendo ele ao longo da vida. Se pararmos de exercê-lo, seja nos seus aspectos externos da benemerência, seja nos aspectos espirituais, que é a sua filosofia, deixamos de ser maçom. Não há como acumular crédito por um tempo e depois sair de férias. 

Maçonaria, portanto é um exercício e quando se vende filiação está privando o comprador de entrar em uma Instituição coletiva. Alguém que funda uma Loja para agremiar novos membros comete um erro básico: não explica que esse projeto se reduz a ele e mais 6. Deixa em aberto sobre participar da “Maçonaria Histórica”. Quando explica, confunde o novato utilizando termos do Direito como Legal, legítima, etc… Um rebuscamento para não dizer o seguinte:  “sabe aquela Loja maçônica que você viu lá no interior? Ou ouviu falar em algum livro? pois é, nós não fazemos parte deles”. “Você deseja fazer parte do nosso projeto de loja, que é eu mais 6, mesmo assim?” Creio que teriam poucos adeptos. 

O que implica que a tal rede de contatos irá se reduzir à nosso grupo; que a forma de governo não é coletiva (pois 1 é dono do templo e das ideias), etc… Nenhum deles assim o fazem. 

Já escrevi aqui de várias formas sobre esse assunto. Hoje quero apenas dizer que os tais sites são de uma pobreza de ideias sem tamanho. Exceto, como já disse, alguns projetos que tem lastro na realidade e são frutos de uma prática histórica (seja Faculdade, Escola ou Obras sociais), todos eles nem sequer conseguem “vender" as informações humanísticas/filosóficas que há dentro da tradição maçônica. Ao querer se passar por Instituição Maçônica poderosas, negligencia até mesmo a própria lógica do português, criando academias superiores redundantes, confederações sem confederados; se dizendo prestadoras de serviços para Lojas maçônicas, (do tipo o padre que terceiriza batizado e casamento; rssss), etc. 

Por denunciar tais figuras já recebi telefonema de ameaça. Depois tive a oportunidade de encontrar o dito “estélio”( em um esquina do Itaim, aqui em São Paulo Capital), que como bom dissimulado disfarçou o assunto. E insiste em dizer que “entrega o que vende”.  Sempre lembrando que nunca me manifestei contra a pessoa e sua família; mas contra o método de vender um produto e não entregá-lo. Vender iniciação e depois você descobre que não entrou propriamente na Maçonaria, mas em um loja de fundo de quintal. Se ele assim o fizesse, mas avisasse de que se tratava de um projeto sem conexão com aquele outro(a Maçonaria que todos conhecemos através dos seus templos e monumentos de rua), penso que seria tranquilo. 

Enfim, por isso surge esse blog e cursos que proferimos sobre filosofia maçônica e governança maçônica. Lembrando que como professor vendemos aulas de Filosofia(para o qual temos diploma); mas jamais vendemos moral; do tipo: “você quer ser bom, nós lhe vendemos bondade”; Portanto, podemos lhe ensinar sobre história da filosofia, lhe auxiliar a escrever um livro sobre maçonaria e filosofia, debater contigo ideias de filosofia e maçonaria; mas jamais conseguiremos lhe transferir estados espirituais, estados de consciência, habilidades inerentes ao seu corpo e memória corporal; isso ainda não inventaram; ainda não conseguimos fazer download como no filme Matrix.

Ser professor e vender aulas é distinto de vender milagres.  



























Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom