Postagens

Mostrando postagens de Junho 11, 2015

Puta, biscate, rameira, vagabundas... froxo! (sem o u mesmo)

As palavras...

Impressionante que em épocas de iPhone 6 e Windows 9 ou 10 sem lá, o fraseado moralista ainda seja o mesmo. Alguns movimentos de luta por direitos, especialmente das mulheres e outros marginalizados, tem optado por retomar palavras ícones de tais posturas arcaicas no que toca a moral.

O título elencou algumas delas. A ideia é exatamente estampa-las para denunciar seus cultores. A marcha das vadias é uma delas. Afinal, o que se pretende é problematizar de modo performático que há ainda machismo. Que há ainda humanos se colocando como mais dignos do que outros. De que há sim preferência por gênero e etnia nos lugares onde se garante mais direitos.

Não se advoga a igualdade entre os humanos. Somos diferentes, o que se cultiva em tais movimentos de lutas por direitos é da ordem dos direitos, não das características. Espera-se que continuemos diferentes, mas não desiguais. A desigualdade não é a mesma coisa que diferença(mineiro, baiano, etc); Desigualdade é por em prática …

Filosofia da USP e as Vacas de Leite: semelhanças.

Nietzsche já citava as vacas. Sua paciência, seu ruminar.

Hoje quero falar de "Girolândia" e da Filosofia nacional.

Como se sabe, para os criadores, para se ter uma boa vaca de leite é preciso fazer cruzamentos. No caso entre a raça Gir e a Holandesa. Tem-se um boi Holandês e o cruza com uma vaca Gir. Então nasce o girolande.

Se nascer vaca, ótimo, pois ela é boa de leite e seus bezerros irão servir para carne. Se nascer bezerro, tudo bem, pois eles são bons de carne.

Mas não se pode dispensar um plantel de vacas e bois Holandeses e o mesmo de Gir. É preciso sempre produzir o híbrido, pois ele só é bom enquanto híbrido. Não dá para cruzar girolande com girolande, assim não dá o efeito esperado. Tem-se que necessariamente fazer a hibridagem.


Na Filosofia brasileira não é diferente. É preciso de híbrido, crioulo? nem pensar.  A lógica do híbrido na filosofia consiste em estudar em uma universidade fora do país. Comentar um alemão(preferencialmente; o próprio nome já exala qua…

Falar mau sempre!

Deve ser difícil para os jornais impressos, especialmente a Folha e o Estadão (São Paulo Brasil), falar mau sempre, mesmo de coisas boas.

Fico imaginando a dificuldade que eles devem ter para sempre formular o lado negativo de tudo e ainda relacionar o PT a tal coisa ruim. Página por página, título por título, etc. Tudo bem que seus leitores pagam por isso e gostam. Em qualquer roda de conversa, parte da elite paulista gosta de reproduzir os bordões deles, portanto, estão satisfeito pelo que pagam.

O problema desse ódio absurdo são dois. Deixa-se de prestar serviço até mesmo para setores produtivos dessa elite e perde-se a oportunidade de cumpri o decente papel das mídias. A aposta de bater na mesma tecla, afinal isso sempre deu certo para quem tem dinheiro, pode em épocas de internet não ser bem assim. Na verdade é uma aposta, com sérios riscos.

Tomar a realidade nesses pacotes é sempre ruim. Pensar que o PT é o responsável por uma dor de dente, ou pelo buraco na minha rua é um risc…