Igreja e Maçonaria


Livro Compre aqui:
Como responder a um ateu: as provas para existência de Deus




Você poderá "clicar" na imagem para ir a fonte ou aqui



A maçonaria já foi “excomungada” pela Igreja Católica e algumas Protestantes. No contexto lá da Europa de 1800 e uns poucos,  fazia sentido em alguns lugares, pois alguns movimentos maçônicos pretendiam fazer parte do coro da Revolução Francesa na qual o ideal era “matar o ultimo rei com as tripas do ultimo bispo”.

Porém, o próprio “documento da CNBB” reconhece que não há uma Maçonaria. Existem várias maçonarias e, portanto, não se pode, nos dias de hoje, colocar todo mundo no mesmo lugar.

Porém, mesmo assim existe algo que não deixa as Igrejas satisfeitas. São dois os elementos. Primeiro, a maçonaria aceita e convive com pessoas de credos variados. Ainda que exista, no caso do Brasil, uma forte tendência cristã, pode-se encontrar “pai-de-Santo”, Espirita e Islâmico na mesma Loja. Segundo, a Maçonaria não se submete ao poder terreno das Igrejas, mesmo introduzindo a idéia de que há um Grande Arquiteto do Universo, metáfora muito utilizada por volta da Renascença para adjetivar Deus, ela se mantém organizada sem conexões com a Igreja. 

Essa postura das Igrejas, uma espécie de infantilidade de pensar que só existe o deus dela e que só ela salva, é um dos principais assuntos de um Encontro Mundial sobre Diálogo Religioso.


Segue o texto



Data do documento: 16.05.2006
Relatório da consulta inter-religioso sobre "Conversão - avaliar a realidade"

Lariano / Velletri (Itália): 12-16 maio de 2006

Organizado pelo Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso, Vaticano, e do Gabinete de Relações Inter-religioso e Diálogo do Conselho Mundial de Igrejas, em Genebra

Introdução

Nós, os participantes na reflexão inter-religioso sobre "Conversão: Avaliar a realidade", se reuniram na Lariano (Itália) em maio 12-16, 2006. Nós, em 27 de nós, pertence ao budismo, cristianismo, hinduísmo, islamismo, judaísmo e religião iorubá. Compartilhamos nossas idéias e experiências sobre este importante assunto durante cinco dias da co-vida na atmosfera pacífica e idílica e espiritualmente vibrante de Villa Mater Dei - uma espécie de peregrinação inter-religioso, breve, mas gratificante. Nossas deliberações foram intensas, e ocorreu num clima de cordialidade, respeito mútuo e compromisso de aprender um do outro patrimônio espiritual, que juntos constituem a herança comum da humanidade inteira.

Afirmamos nosso compromisso com o processo de diálogo inter-religioso. Sua necessidade e utilidade têm aumentado exponencialmente nos nossos tempos para promover paz, harmonia e transformação de conflitos - dentro e entre as nações em nosso mundo globalizado rapidamente -, especialmente porque a religião tem sido freqüentemente utilizada, e não abusiva, a derramar sangue, intolerância e disseminação defender divisivos e discriminatórios de práticas sócio-político.

Sustentamos que o diálogo inter-religioso, para ser significativa, não deve excluir qualquer tópico, porém controversos ou sensíveis, se o assunto é motivo de preocupação para a humanidade como um todo ou de qualquer secção / s da mesma.

É nossa convicção que o diálogo honesto e sincero pode esclarecer e aprofundar nossa compreensão sobre o mesmo contencioso maioria das questões. A clarificação e, esperançosamente, consequente redução nas áreas de desacordo e ignorância pode ajudar as comunidades a expandir as possibilidades de reconciliação e viver juntos em paz, amor e amizade, de acordo com nossos respectivos preceitos religiosos.

Portanto, inteiramente com a iniciativa tomada pelo Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso, Vaticano, e do Gabinete de Relações Inter-Religioso e Diálogo do Conselho Mundial de Igrejas, em Genebra, para a realização desta consulta sobre um tema que raramente é um assunto do diálogo inter-religioso. Transmitimos os nossos sinceros agradecimentos a eles. Nossas próprias deliberações abrangentes ao longo dos últimos cinco dias sobre a conversão religiosa - em seus contextos teológicos como também históricos e contemporâneos - têm testemunhado do valor e da utilidade de compartilhar as nossas reflexões sobre uma questão que é muitas vezes a causa de mal-entendidos e tensões entre as comunidades em muitas partes do mundo.

Muitas diferenças e desacordos entre os participantes permaneceram até o final da consulta. Na verdade, não houve unanimidade sobre o mesmo significado de "conversão". No entanto, gostaríamos de registrar que as nossas deliberações nos ajudaram a desenvolver um entendimento convergente dos diversos aspectos da questão da conversão religiosa, tornando-nos mais sensíveis às preocupações e, assim, reforçar o nosso entendimento de que tais questões devem ser abordadas através de medidas adequadas
localmente, nacionalmente e internacionalmente.
Um resumo das reflexões e recomendações

Este documento resume os principais pontos de vista expressos pelos participantes. Também registra algumas recomendações consensuais para a consideração de nossas respectivas comunidades e dos países e organizações a que pertencemos.

    -
Todos nós acreditamos que as religiões deve ser uma fonte de união e enobrecimento do ser humano. A religião, entendida e praticada, à luz dos princípios fundamentais e os ideais de cada uma das nossas crenças, pode ser um guia confiável para enfrentar os múltiplos desafios à humanidade.

    - A liberdade religiosa é um direito fundamental, inviolável e inegociável de todo ser humano em todos os países do mundo. A liberdade de religião conota a liberdade, sem obstrução, de praticar a própria fé, a liberdade para propagar os ensinamentos da fé para as pessoas da própria próprias religiões e outros, e também a liberdade de abraçar outra religião fora de seu próprio livre arbítrio.

    -
Afirmamos que enquanto todo mundo tem o direito de convidar outras pessoas para uma compreensão da sua fé, não deve ser exercido por violar outros direitos e sensibilidades religiosas. Ao mesmo tempo, todos devem se curar da obsessão de converter os outros.

    - A liberdade de religião impõe a todos nós a responsabilidade também não é negociável a respeitar outras religiões que a nossa, e nunca para denegrir, difamar ou deturpar-los com o propósito de afirmar a superioridade da nossa fé.

    -
Reconhecemos que os erros foram cometidos e injustiças cometidas pelos adeptos de todos os credos. Portanto, cabe a cada comunidade para realizar exame de auto-crítica honesta do seu comportamento histórico, bem como a sua doutrina / preceitos teológicos. Essa auto-crítica e arrependimento deve levar a reformas necessárias, nomeadamente, sobre a questão da conversão.

    - Uma reforma particular que recomendaria para os profissionais e estabelecimentos de todos os credos é garantir que a conversão de "imorais" os meios são desencorajados e rejeitada por todos. Deve haver transparência na prática de convidar outras pessoas para a fé.

    - Embora apreciando profundamente o trabalho humanitário por comunidades de fé, entendemos que ele deve ser conduzido sem segundas intenções. Na área de prestação de serviços humanitários em tempos de necessidade, o que podemos fazer juntos, não devemos fazer separadamente.

    - Nenhuma organização fé deve aproveitar grupos vulneráveis ​​da sociedade, como as crianças e os deficientes.

    - Durante nosso diálogo, nós reconhecemos a necessidade de ser sensível à linguagem religiosa e conceitos teológicos em diferentes credos. Os membros de cada fé deveria ouvir como as pessoas de outras religiões percebê-los. Isso é necessário para remover e evitar mal-entendidos, e promover uma melhor apreciação das respectivas religiões.

   -  Vemos a necessidade e utilidade de um exercício permanente de evoluir coletivamente um "código de conduta" sobre a conversão, que todas as religiões deveriam seguir. Assim, consideramos que o diálogo inter-religioso sobre a questão da conversão deve continuar a vários níveis.





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O nada e o tudo: a internet

Instrução de Companheiro Maçom