Trabalho maçônico

Trabalho Maçônico
Priene - Turquia. Esculpir na pedra bruta artefatos que entram para a história humana. 

FAZER UM TRABALHO MAÇÔNICO?

Sem as mitologias habituais, maçonaria consiste numa sociabilidade de cultivo de um dado conjunto de saberes filosóficos. Que no geral pode ser enquadrada num “baixo iluminismo”, aquele praticado pela ralé da época áurea em que a aristocracia francesa botava fé nos poderes da razão cartesiana. (+- Séculos XVII-XVIII)

MAÇONARIA: ASSOCIAÇÃO PARA PROMOÇÃO HUMANA

Se posto que se trata de uma associação com fins de cultivo de um saber, deve-se esperar que seus “membros” se lancem de alguma forma em processos de leitura, assimilação, exposição, produção de reflexões ou ações pautadas nesse dado saber. Soaria estranho uma certa antipatia pela leitura, pela escrita, pelo espírito epistemofílico. E até mesmo mais estranho um certo gozo com o saber em geral, mas sobretudo até uma militância contra o saber sistemático e acadêmico, sem falar por verdadeira aversão à filosofia acadêmica.

Pois bem, não é estranho aos maçons tudo dito acima. São sim, com “raras” exceções, pessoas avessas ao saber reflexivo ou filosófico. Ainda que leem nos seus manuais de orientação das reuniões semanais palavras, frases, parágrafos de pura filosofia; copias modificadas de estoicismo, platonismo, aristotelismo; coisas de médio platonismo, etc.

Até quando procuram denegrir a ideia de filosofia acadêmica, malhando o douto que nada sabe do “jeitinho” da vida prática, esquecem que na filosofia estoica e nas várias Escolas Filosóficas do Império Romano, a definição de filosofia era exatamente algo para “ser praticado”, para se viver; filosofia de vida, portanto.

Para além dessa “estultice ilustrada”, recebemos como herança cultural de mais de 20 de governo de exceção, autoritário, total desprezo pela ideia do debate, pela prosa sobre temas filosóficos. Toma-se o diálogo, em qualquer regime social autoritário, como sendo algo menor, fraco, sem valor, improdutivo. Opõe a isso uma ideia de “hierarquia” medíocre como sendo o o “aristoi” nosso de cada dia.

Nesse quadro, portanto, temos as seguintes contradições. O indivíduo que participa de uma sociabilidade fundada sob a ideia “iluminista” que não gosta de exercitar a razão de modo filosófico ou qualquer outro método de pensamento racional. Outra contradição, como iluminista, segue-se ideais liberais, calcados, portanto, na ideia de liberdades e de regime democráticos. Fato que é negado pela história recente desse grupo na medida em que participaram, mesmo que sendo a reboque da moda, e ainda exaltam um governo civil-militar de corte autoritário, contrário às liberdades individuais, etc.

Por fim, quando se deveria exercitar a leitura e a escrita dissertativa, nas apresentações de trabalhos reflexivos, o que se vê é a vexatória copia de textos da internet que são, com muito frequência, lidos em reuniões e com nível de leitura oral sofrível. Por tudo isso, essa sociabilidade torna-se uma confraria que nos dias de hoje só consegue repercutir as pautas dos jornais diários. São meros assimiladores de ideias estrangeiras... e deles não se pode esperar muito no âmbito da política (aquela fora dos partidos, da sociedade civil organizada).



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por ler e participar do nosso blog.

#ForaBozo

Queda de Bolsonar Em tempo record, até mesmo para Jânio Quadros que renunciou com 7meses de mandato, já aparece no mu...