Democracia em seu lar!

Democracia em seu lar!

O título mais parece aquelas mensagens de alguma igreja. Jesus em seu lar a palavra de deus em seu lar. Contudo, pretendo convidá-los a irmos um pouco mais fundo.

Tenho observado a tempo como as pessoas lidam com a politica em geral. Não só a partidária estatal, mas lá naquela eleição da diretoria do clube de lazer. Em geral noto que as pessoas são fatalistas. Mais parecem um daqueles Estados Latino do Oriente, onde hoje é a Siria, Libano, Israel e o Estado da Palestina(faixa de Gaza e Cisjordânia), sitiado pelo Grande Saladino. Pânico geral. O opositor não é meu conterrâneo, cidadão da mesma urbis, muita das vezes frequentador do mesmo clube, até da mesma atividade.

Na política partidária a mesma coisa. O do outro partido é tudo de ruim que há na face da terra. Para descrevê-lo faltam pouco lançar mãos da metodologia do Apocalipse, figuras monstruosos como serpente de 7 cabeças, amagedom.

Essa inabilidade em lidar com a política no entanto tem sua origem muito clara na história brasileira. O Governo ditatorial civil-militar dos anos 60, 70 e início dos 80. Mas não só nele, pois como explicar a retórica de Marine Lepain, a cadida da extrema direita da França, precursora do modelo de Estado Republica dos nossos dias.

Temos no mínimo dois vetores para pensarmos em como lidamos com a política em nossos dias. O primeiro e mais significativo para nós brasileiros é a apatia que temos pela política, sendo um legado do governo de exceção civil-militar. Tivemos não só a prática de transferir serviços próprios do Estado para a iniciativa privada, como podemos notar na origem dos grandes sistemas privados de educação, setores energéticos, minerais, construção pesada, entre outros, mas herdamos um tipo de pensamento por curto circuito: política é coisa de subversivos.

Outro vetor faz parte da própria cultura de consumo em massa. A ideia de consumir, desejo de consumir é amplamente insuflada. Em tudo podemos encontrar o vetor da quantidade, consumo em grande quantidade. Confundimos esse desejo desvairado de consumir com direito. Como é próprio dessa lógica, esquecemos dos deveres. Nesse quadro a política jamais irá ser algo bem visto. Pois nela não iremos ver todos os meus desejos/direitos serem saciados. Ainda o que é pior, na política tenho que saber algo: não dá para ter todos os meus desejos realizados, pois eles implicariam na eliminação de todos os outros.

Será nesse quadro de cultura de consumo que poderemos explicar como em países como França, berço da democracia, vigora os discursos de extrema direita. Será pela via do consumo que os princípios da democracia se esvaem.

No nosso caso chegamos na cultura de massa, sem passar pelas cultura industrial. O que nós faz um fato novo na história, pois entramos em uma cultura do descartável sem antes passarmos por todas as implicações que levaram a industrialização. Somos inovadores ou fazemos parte de um nova realidade mundial, ao lado da China e África do Sul. Chegamos na época em que não há todo o modelo lento da disciplinação necessária à revolução industrial. Passamos do rural(ruris) lento e sem aparatos técnicos complexos de mediação com a realidade, para a cidade(urbis).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom