A Palavra perdida




A propósito da lenda da palavra perdida na maçonaria o fragmento que segue pode nos auxiliar em que medida tal recurso didático existe na Ordem.


“Na Grécia arcaica, a palavra verdadeira ou alétheia possui três características principais:

11)   é uma palavra eficaz, isto é, uma ação, uma potência de realização, uma força realizadora que pode aumentar ou diminuir em poder e por isso é uma função sócio-religiosa de soberania. Eis por que a palavra de louvor e a palavra de censura são tão importantes: quando o poeta ou o adivinho louvam alguém, este alguém não mais será esquecido, torna-se verdadeiro, isto é, imortal; ao contrário, quando há censura, o silêncio cai sobre este alguém e sobre seus feitos, e ele se torna esquecido, perde a verdade e morre;
22)   é uma palavra prática (e não teórica), isto é, falar é fazer. Ao ser proferida, a palavra verdadeira possui o poder de fazer vir a ser, de fazer acontecer o que é dito;
33)   é uma palavra que se relaciona com três forças positivas: a justiça (dike), a confiança e fidelidade (pístis) e a doce ou suave persuasão (peithó). Personificadas, são três deusas ligadas à verdade e à luz; em oposição a elas, no campo do esquecimento/erro/engano/mentira, que é o mundo escuro de Léthe, estão três outras forças: a injustiça (adikía), a desconfiança e infidelidade (pseudés) e a sedução mentirosa (apáte).




Comentários

Unknown disse…
10 motivos para você não ser maçom, título do livro anunciado abaixo.
Conheço apensas um motivo. "Não ter dignidade suficiente para ser convidado".

Postagens mais visitadas deste blog

O nada e o tudo: a internet