Escola Polivalente: um exemplo de aberração!

O pacote Polivalente foi feito na década de 70; em Conselheiro Pena temos um exemplo singular desse projeto.

Um prédio muito bonito para os padrões arquitetônica da pequena cidade do leste mineiro. Contudo, o próprio prédio já é sintoma de algo mais profundo.

Sua arquitetura, que estampa uma placa na entrada referindo-se a parceria do MAC e da Agência Americana(norte) USAID, já é uma exemplo de como o projeto era e é alienante. O predio tem teto para lugares que neva; isto mesmo, o teto é preparado para onde cai neve; contudo, no leste mineiro faz temperaturas que frequentemente passam os 35oC;

Depois, a região é produtora de leite. Teve seu histórico ligado ao café e depois ao leite. Tal escola, preocupada em formar técnicos, pois na ideologia dos milicos nós precisávamos disso, formava técnico em contabilidade. Bem, e o meio rural?

Esse não era nem mesmo apresentado na história curricular. Se tinha uma tal Prática Agrícola, uma Prática Industrial, etc. Mas não havia propriamente professores formados nesses saberes e o tempo destinado a tais disciplinas eram magros 1 ou 2 aula semana. Conclusão, era mais um diversão.

No antigo Segundo Grau se formava todos técnicos em contabilidade. Ainda tinha o magistério, ao menos formou vários dos professores que a cidade demandava.

Mas e a realidade da cidade? Essa foi negada a todos nós, pois ao fazer um tipo de estudo que em nada tinha com nossas vidas; deixamos de ver nossa realidade e passamos sonhar com a realidade da Cidade; a qual estávamos sempre em desvantagens.

Ficamos no meio do caminho, pois não se sabia mais o que era o meio rural e muito menos que o era a cidade grande.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom