Aconselhamento Pastoral






Prof. Me. Cídio Lopes de Almeida

            Para destacar os pontos relevantes, segundo a leitura que fiz do texto, penso que o objeto da disciplina, isto é, o fazer do aconselhamento, tem, duas matizes que caracteriza muito bem o “Aconselhamento Pastoral”.
            A primeira matriz é a que faz uso do serviço de aconselhamento como foco primordial do exercício de Poder. Assim, para Schneider-Harpprecht o aconselhamento pastoral é uma “expressão problemática, pois sugere que aconselhamento seria em primeiro lugar uma atividade do pastor como ministro ordenado e implicaria uma relação de poder[...]” (p.291)
            A segunda variação característica é aquela na qual se tem por base “[...] a convivência no contexto da Igreja, a koinonia dos membros.”(p. 292) Convivência fraterna que significa “a comunhão com Jesus Cristo, o Filho de Deus encarnado que, na sua vida e morte, compartilhou o destino humano e, conforme a promessa do evangelho, se torna presente ‘onde dois ou três se reúnem no nome dele’(Mt 18.20)”. (p.292)
            Pode-se verificar que o modelo clerical sempre ganha terreno em momentos de sistematização da fé, expresso no ordenamento das Igrejas. Nesse contexto, o cristianismo se torna instrumento de exercício do Poder e o aconselhamento pastoral torna-se instrumento de controle, de prescrição. Por outro lado, em momentos no qual ser cristão é viver na periferia do Poder hegemônico o aconselhamento pastoral assume características de partilha e empenho pessoal em viver de determinada forma em vistas de ser alguém que expresse o que há de melhor no âmago do ser gente. Não se trata de uma autoridade que negligencia a liberdade dos indivíduos, mas no uso da liberdade me filiou a um projeto edificante.
            Dos dois modelos históricos do aconselhamento o que é fruto do Poder faz questão de impor aos indivíduos uma vida de pecado. Realçam sempre que possível a idéia de que o “pecado original” retira a dignidade humana. Faz questão de jogar o indivíduo na lama, para, depois, oferecer o paraíso que, claro, passa pelas mãos da hierarquia religiosa. Mesmo Lutero, como o texto salienta, se em primeiro momento contrapõe o Poder da Igreja Romana  com a idéia de exame de consciência pessoal, acaba por mais adiante corroborar o papel do pastor ou “ a substituir a concepção do aconselhamento livre dos irmãos na comunidade por um sistema mais controlador e pastocentrico,[...]. (p. 300)
            As tentativas de dar ao aconselhamento pastoral respostas históricas levaram a vários caminhos em especial os que estabelecem implicações com o Iluminismo e com a Psicologia. Nesse sentido, e já cumprindo o segundo propósito de comentar esses modelos expressos nos tópicos 13.3.1 até 13.3.4 do texto objeto dessa síntese, iremos verificar que houve uma tensão entre o primado teológico e o das ciências humanas em questão. Com freqüência se procurou subordinar os conhecimentos da psicologia às Escrituras o que, por exemplo, levou o psicólogo Gray Collins, dentro do modelo evangelical de psicologia pastoral, a dizer que “toda verdade tem origem em Deus, inclusive a verdade sobre as pessoas por ele criadas.”(p.304)
            Outros, como León tentaram “respeitar os limites entre as perspectivas psicológicas e teológicas”, mas não consegue, pois afirma que “antes de Jacques Lacan se referir às estruturas do psiquismo, nosso Senhor Jesus Cristo já nos havia apresentado,[...]”. (p305) Apesar da boa vontade de sair da postura do modelo fundamentalista, no qual “o aconselhamento pastoral educa a pessoa por meios diretivos para que ela se aproxime do exemplo de Cristo”(p. 303), os evangelistas ao subordinar a psicologia à teologia promovem certo exercício de Poder disfarçado.
            Parecem encaminhar para uma prática de aconselhamento mais no sentido de vida partilhada os modelos ‘holísticos de libertação e crescimento’ e o ‘contextual de uma poimênica da libertação’, nomeadamente presentes na realidade da América Latina. A definição de Clinebell para poimênica, citado por Schneider-Harpprecht, é acertada: “o ministério amplo e inclusivo de cura e crescimento mútuo dentro de uma congregação e de sua comunidade”.(p. 306) Essa proposição admite a complexidade da existência humana em dado momento histórico e o que se faz necessário para que ele possa ser em plenitude.
            Para finalizar, o modelo de poimênica da libertação parece coadunar ao do parágrafo acima. “O critério decisivo para a poimênica é a sua contribuição para a conscientização política e o progresso nessa luta. Integrada na prática libertadora, a poimênica torna-se tarefa de todos e todas e serve para que as pessoas e os grupos populares achem a sua identidade e cresçam em conjunto.”(p.308)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Elle

Instrução de Companheiro Maçom

10 motivos para você não ser maçom